domingo, 18 de setembro de 2011

Apenas meras bobagens!



Recordar...
(Bom, eu faço muito isso!)

Lembrei (mais uma das milhões de vezes), meus anos de adolescente, ou mais propriamente dito. Meus 16 anos.

Lembro que eu me e minha turma saíamos por aí e ríamos de tudo e de todos... cada um era único, tinha seu estilo próprio, suas opiniões, até então, naquela época intocáveis. Sempre se falava no futuro, e em não virar mais um adulto "normal" como todos os outros. Manter sobre tudo á personalidade, o estilo e principalmente á alma intocadas. Porém os anos passaram e essas promessas foram jogadas ao vento...
Estive observando muito eles "pós adolescencia" e ví que pouco á pouco suas personalidades foram mudando, assim como suas aparências, do que antes se rirá, hoje, se tornará idêntico. De roupas á algumas atitudes.. Não sei se "amadurecer" é isso... deixar que á sociedade e o mundo arranque de você sua personalidade, suas idéias até então intocáveis... e principalmente sua alma, aquele espírito livre e sonhador que todo adolescente possuí antes de ter de encarar de verdade o mundo real e "amadurecer".
Hoje vejo como mudamos, como mudaram... sinto muitissima falta daqueles dias, mais sinto mais saudades ainda do espírito individualista e único que cada um possuía, das mentes cheia de sonhos e idéias próprias, da beleza que viam no banal, no simples...Hoje olham tudo e dizem "como éramos bobos", eu mesmo confesso que mudei em alguns aspectos, mais de uma certa forma, tento manter á minha alma como daqueles tempos. Não posso e nem quero "amadurecer", não para ficar desse jeito. Ainda prefiro continuar sendo aquela pessoa com á alma cheia de sonhos, que vê na simplicidade uma forma única de felicidade. Não me envergonho de nada do meu passado, tudo que fui me fez como sou hoje. Do considerado "vergonhoso" as atitudes mais tolas... Tudo aquilo fui, sou e sempre será eu, e não me envergonho de mim!
Ouvi muito já á tal frase "Mais é assim que o mundo funciona". O mundo que funcione á sua maneira, eu é que não me renderei as atrucidades dele, que transformam pessoas cheia de sonhos, personalidade... alma. Em robôs na qual o único objetivo é trabalhar, e trabalhar e ganha dinheiro e pagar as contas e fazer de suas existências uma rotina maçante e igual.




"Estou em plena luta. Mas olhe para todos ao seu redor e veja o que temos feito de nós e a isso considerado vitória nossa de cada dia. Não temos amado, acima de todas as coisas. Não temos aceito o que não se entende porque não queremos passar por tolos. Temos amontoado coisas e seguranças por não termos um ao outro. Temos evitado cair de joelhos diante do primeiro de nós que por amor diga: tens medo. Não temos sido puros e ingênuos para não rirmos de nós mesmos e para que no fim do dia possamos dizer "pelo menos não fui tolo" e assim não ficarmos perplexos antes de se apagar a luz. Mas eu escapei disso, escapei com a ferocidade com que se escapa da peste". 



- Clarice Lispector

sábado, 10 de setembro de 2011

Tolices irrelevantes


Lembranças, nostalgia, passado, presente, futuro.É um emaranhado de sentimentos, de situações e confusões...Há tanta vida lá fora. Há tantas coisas para se viver.
Quando você tem 20 anos, o que você menos pensa é no fim. Você faz planos de um futuro longícuo e feliz. Ou nem pensa no futuro, apenas aproveita o presente.
E quando isso não acontece? E quando você não vive o presente como gostaria e também não enxerga um futuro? São tantas coisas que se passam dentro do meu coração e da minha cabeça que eu mesma não entendo.
Ando pelas ruas, visito parques e vejo pessoas felizes com as suas família. Crianças brincando, casais namorando, um toque, um beijo, uma carícia... para mim isso tudo é tão estranho. Nunca tive algo assim. Nunca pudi chamar ninguém "meu mundo", ou "minha vida". Ou simplesmente olhar nos olhos dessa pessoa e dizer que á amo, e ela entender, de fato o amor que estou expressando. Um abraço, me lembrei dele agora... foi em uma noite feliz, com pessoas especiais... e ela. O abraço e o sorriso sempre me marcaram. Lembro de cada um que ganhei. Recebi esse abraço e a segurei, como se fosse á ultima vez que á abraçaria. Ela disse "Eu amo você". Essas palavras soam na minha mente todos os dias, como um doce mantra. Mais sei o verdadeiro sentido dessas palavras, ela nunca me verá como eu gostaria que me visse, de verdade. Eu me afasto por uns tempos, para esquecer... mais não posso, é mais forte que eu, e sei que assim que vê-la, um sorriso bobo tomará meu rosto. Em contrapartida, penso em outra pessoa, mal á conheço, uma certa distancia impede... Mais é alguém extremamente doce e bela. Alguém que sei que seria capaz de amar muito...
São sentimentos estranhos. Mais logo caiu na realidade e me vejo com aquele sentimento de vazio novamente, de que nada disso, nem um nem outro acontecerá e que é melhor eu seguir até o dia em que conseguir encontrar meu porto de chegada, onde eu possa ser eu mesma, amar e poder ser amada também, sem reservas, sem restrições...

Devaneios, pensamentos... e os dias voando como beija-flores!