sábado, 29 de janeiro de 2011

Passado. Presente. Futuro!


Um misto de épocas, de fases, de vidas...
Fui criança até os 16, e hoje, aos 20, já me vejo obrigada a ser adulta!
Não me sinto adulta! Não me sinto criança! Que disputa maldosa essa dentro de um único ser.
Penso no passado, sinto saudades, é como se meu verdadeiro "eu", estivesse ficado por lá. Presente, vejo as pessoas nais quais conheci e conviví á 5, 6 anos atrás. Umas já casaram e até filhos tem, outras estão terminando a faculdade e saindo de casa, outras namoram, seguem suas viidas. E eu? Eu estou aqui, da mesma maneira de tantos anos atrás.. Futuro. Muitos planos, muitas metas que quero alcançar, mais apenas coisas no papel, o medo não me deixa. Minha mediocridade, minha fraqueza, parecem que são maiores, e a vontade, e coragem simplesmente são estranguladas por elas.
Hoje, eu, 20 anos, 2 mese e 13 dias nas costas, na dependencia dos pais, enfrentando seus demônios antigos, com sonsultas psicológicas e acima de tudo, pedindo força para enfrentar o futuro, e conseguir doma-lo.
Vejo as pessoas que conviví e cresci, e me sinto um nada, vendo, onde hoje elas estão. Me sinto pequena, mediocre, ordinária e incapaz. Meu passado, foi minha felicidade constante, uma época ingênua, de alegrias doces e momentos felizes. Meu presente, um lugar inconstante, onde a alegria, a ângustia, a saudade e o medo se gladiam para ver quem leva a melhor, tenho dias onde a alegria me encontra por um longo período, mais a ângustia a saudade e o medo, veem e á trancam novamente em seu calabouço até que, novamente ela consiga escapar. É estranho não conseguir um equilíbrio para seguir em frente, é estranho se sentir como se seu lugar e o que você está vivendo, fossem apenas pré-estréias daquilo que realmente você vai viver, e o mais importante do que você vai ser. Futuro, um lugar desconhecido, que pretendo conquistar e me instala, logo em breve. Como diria Lispector "O meu caminho não é esse, é o outro, é o outro, quando eu puder sentir o outro plenamente estarei a salvo e direi: eis o meu porto de chegada..." Futuro? O meu possível e esperado porto de chegada!

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Amor


Como saber quando se ama alguém? Pergunta difícil de se responder.
O amor é algo tão complicado, tão difícil de se entender. Amei de tantas maneiras já, foram tantos amores, tantas alegrias.. mais também, tantas dores, e principalmente rejeição.
Mais acho que o amor mais complicado, mais pertubador, mais intenso, mais puro, mais duradouro e sufocante que senti, eu nunca poderei esquecer, mesmo se conseguir sentir isso novamente,
Já sentiu uma alegria imensa na presença daquela pessoa, já sentiu um imenso frio na barriga, quando esteve preste á vê-la, e principalmente já sentiu uma dor sufocante e um nó imenso na garganta quando pensou em perde-la, e perdeu, por curto períodos de tempo, e principalmente, já preferiu ter essa pessoa á seu lado, sempre, mesmo que a mesma jamais desconfie desse tamanho amor, mesmo que por dentro você se roua, se torture apenas com a possibilidade de dizer, e ela se afastar novamente, e você voltar a sentir aquele imenso vazio, como antes, o simples fato de ter a pessoa ao seu lado, já te deixar feliz, e acima de tudo, saber que a mesma está feliz? Se respondes-tes sim, entende o que digo.
Com todos os amores aprendi porções de sentimentos mais com esse aprendi que o amor simplesmente é abnegação, quando você simplesmente sabe que jamais daria certo, você simplesmente fica feliz em ver a pessoa feliz, seja com quem for, onde for, a única tortura maior é ausência dessa mesma, mais nada pode cortar uma alma que ama, como á distância, seja ela por que motivos for. O amor simplesmente está onde está, e sei que este sempre estará comigo, apenas comigo, onde eu for, será sempre meu maior segredo, até que eu possa novamente sentir esse mesmo amor com outro ser, e, talvez, ter a felicidade de ser correrpondida. Quem sabe!

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

"Pensamos demasiadamente.. Sentimos pouco.."


O Problema da sociedade hoje em dia se resume á essa curta frase "Pensamos demasiadamente.. Sentimos pouco.." As pessoas simplesmente esqueceram como é sentir. Seja uma simples música, á um real amor. Tudo hoje em dia é banal, superficial. Tudo perdeu o sentido. Mais me pergunto.. Onde foi morar a sensibilidade das pessoas? Onde está a essencia? O real interesse pelas coisas simples como adimirar o céu, um luar, sentir o aroma de uma flor, de uma brisa.. da chuva? Onde foi parar pequenas coisas assim que são essencias? Será que hoje em dia o único sentido das coisas está no consumismo, na pressa em crescer? Onde estão as coisas simples? Tiraram férias, ou simplesmente estão esquecidas dentro de cara ser humano?
Não consigo encontrar as respostas, o mais intrigante na minha maneira de pensar.. de ver as coisas, é que, quando me vejo dentro de um ônibus, ou na janela de minha casa me deparando, muitas vezes sem perceber, admirando o céu, um simples por-do-sol me pergunto se outras pessoas, nos tempos de hoje, ainda reparam nessas pequenas belezas que o dia a dia nos dá. Os tempos são difíceis. São. Mais muitos não reparam nos pequenos presentes que o cotidianos trás, e esse presentes não se compram com cartão de crédito, nem precisam ser parcelados. Não tem juros, nem taxas. É um presente que você tem á vista, e disponível á qualquer momento. basta você ver.. sentir!

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Crise dos 20 e poucos anos


A chamam de "crise do quarto de vida".
Você começa a se dar conta de que seu círculo de amigos é menor do que há alguns anos.
Se dá conta de que é cada vez mais difícil vê-los e organizar horários por diferentes questões: trabalho, estudo, namorado(a) etc.. E cada vez desfruta mais dessa cervejinha que serve como desculpa para conversar um pouco. As multidões já não são ‘tão divertidas’… E as vezes até lhe incomodam.
E você estranha o bem-bom da escola, dos grupos, de socializar com as mesmas pessoas de forma constante.
Mas começa a se dar conta de que enquanto alguns eram verdadeiros amigos, outros não eram tão especiais depois de tudo. Você começa a perceber que algumas pessoas são egoístas e que, talvez, esses amigos que você acreditava serem próximos não são exatamente as melhores pessoas que conheceu e que o pessoal com quem perdeu contato são os amigos mais importantes para você. Ri com mais vontade, mas chora com menos lágrimas e mais dor. Partem seu coração e você se pergunta como essa pessoa que amou tanto pôde lhe fazer tanto mal. Ou, talvez, a noite você se lembre e se pergunte por que não pode conhecer alguém o suficiente interessante para querer conhecê-lo melhor.
Parece que todos que você conhece já estão namorando há anos e alguns começam a se casar. Talvez você também, realmente, ame alguém, mas, simplesmente, não tem certeza se está preparado (a) para se comprometer pelo resto da vida. Os rolês e encontros de uma noite começam a parecer baratos e ficar bêbado(a) e agir como um(a) idiota começa a parecer, realmente, estúpido.
Sair três vezes por final de semana lhe deixa esgotado(a) e significa muito dinheiro para seu pequeno salário.
Olha para o seu trabalho e, talvez, nao esteja nem perto do que pensava que estaria fazendo. Ou, talvez, esteja procurando algum trabalho e pensa que tem que começar de baixo e isso lhe dá um pouco de medo. Dia a dia, você trata de começar a se entender, sobre o que quer e o que não quer. Suas opiniões se tornam mais fortes.
Vê o que os outros estão fazendo e se encontra julgando um pouco mais do que o normal, porque, de repente, você tem certos laços em sua vida e adiciona coisas a sua lista do que é aceitável e do que não é. Às vezes, você se sente genial e invencível, outras… Apenas com medo e confuso (a). De repente, você trata de se obstinar ao passado, mas se dá conta de que o passado se distancia mais e que não há outra opção a não ser continuar avançando.
Você se preocupa com o futuro, empréstimos, dinheiro… E com construir uma vida para você. E enquanto ganhar a carreira seria grandioso, você não queria estar competindo nela. O que, talvez, você não se dê conta, é que todos que estamos lendo esse textos nos identificamos com ele. Todos nós que temos ‘vinte e tantos’ e gostaríamos de voltar aos 15-16 algumas vezes. Parece ser um lugar instável, um caminho de passagem, uma bagunça na cabeça… Mas TODOS dizem que é a melhor época de nossas vidas e não temos que deixar de aproveitá-la por causa dos nossos medos…
Dizem que esses tempos são o cimento do nosso futuro. Parece que foi ontem que tínhamos 16… Então, amanhã teremos 30?? Assim tão rápido?

(Autor Desconhecido)